PUBLICIDADE

Garotos de Caarapó brilham nas Olímpiadas Escolares e viram destaque nacional


PUBLICIDADE

15/09/2011 14h30

Garotos de Caarapó brilham nas Olímpiadas Escolares e viram destaque nacional

GD News


 

tleta da escola Ñandejara (MS) é marcado por jovem do colégio Nossa Sra. de Fátima (DF)

 

O time masculino de futsal da escola municipal indígena Ñandejara Pólo, de Caarapó, representante do Mato Grosso do Sul nas Olimpíadas Escolares 2011, que acontecem em João Pessoa (PB), estreou com vitória na competição e encantou a imprensa nacional e também os torcedores da Paraíba
 
 

 A equipe comandada pelo professor Vinicius Arteman derrotou a escola franciscana Nossa Senhora de Fátima, do Distrito Federal, por 5 a 2, de virada, no ginásio Odilon Coutinho. O destaque do duelo foi Marcio Nunes, que anotou quatro gols e arrancou aplausos até da torcida adversária. O menino é filho de Ângelo Nunes, um dos seis caciques da tribo Guarani, e mora na aldeia Te’yikue, dentro da reserva indígena de Caarapó.
 
 

As duas equipes fazem parte do grupo B da primeira divisão. No início do dia, pelo mesmo grupo, a escola Educação Fundamental Dom Bosco (PA) venceu o Colégio Salesiano (BA) por 5 a 4. 
 
 

O título estadual foi pouco para os jovens indígenas do Mato Grosso do Sul. Artilheiro da competição regional, com 18 gols, Marcio Nunes marcou quatro vezes na primeira participação da escola indígena na história das Olimpíadas Escolares. 
 
 

De acordo com matéria do Globo Esporte.com, o atleta caarapoense ficou impressionado com o tamanho da quadra paraibana e disse que a estreia foi melhor do que os garotos imaginavam.
 
 

- É a primeira vez que a gente joga numa quadra tão grande e num piso tão bom e diferente. Parece o ginásio da Unigran, de Dourados (MS). A quadra lá na nossa aldeia é de cimento, machuca muito - contou o jovem de 14 anos, que morava na Aldeia Porto Lindo, do município de Japorã (MS), mas mudou-se por causa da violência.
 
 

A equipe comandada pelo técnico Vinícius, que treina somente duas vezes por semana, já que a quadra mais próxima fica a 17 km da aldeia, jogou desfalcada do seu melhor jogador.
 
 

- Infelizmente o Cleison Ramires, nosso camisa 10, não veio. Ele fez peneira para jogar no São Paulo e no Santos, mas não passou. Recentemente, participou de uma seletiva para o Figueirense, de Santa Catarina, e agora ele está jogando lá - explicou o camisa 7 Maciel Martins, que marcou o outro gol da equipe indígena.
 
 

No fim da partida, os meninos da escola Nossa Senhora de Fátima (DF) fizeram questão de aplaudir o time adversário, sempre sob a batuta do técnico Carlos Maia. Ele lembrou o cansaço de uma viagem de ônibus de 48 horas para chegar à capital paraibana, mas evitou qualquer tipo de desculpa pela derrota: “Estar aqui é uma honra”.
 
 

Dois atletas do colégio de Caarapó (MS) foram contratados para jogar no time de base do Vasco da Gama, do Rio de Janeiro. São eles: o pivô Gustavo Ferrari, de 13 anos, autor dos dois gols da equipe na partida, e o capitão Bruno Silva, de 14 anos. Os meninos já estão até preparando um lugar para morar na capital carioca.
 
 

- Já estamos procurando um apartamento para morar - disse Bruno. O show dos meninos indígenas de Caarapó foi destaque nos principais portais de notícias do Brasil, entre eles o Globo.com e o site da ESPN.





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE