PUBLICIDADE

Bovespa opera em queda diante de piora do cenário externo

22º min
32º min


PUBLICIDADE

22/09/2011 14h50

Bovespa opera em queda diante de piora do cenário externo

G1, com informações da Reuters


 A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em forte queda nos negócios desta quinta-feira (22), com a piora das perspectivas da economia global  sinalizada na véspera emcomunicado do Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos.


O medo de uma nova recessão no país volta à tona.

Às 11h48, o Ibovespa, principal índice do mercado brasileiro, recuava 3,06%, a 54.266 pontos. Na véspera, o índice recuou 0,70%, aos 55.981 pontos, no terceiro pregão seguido de desvalorização.

Na quarta-feira, o Fed alertou contra riscos "significativos" para a economia e lançou um programa de 400 bilhões de dólares para direcionar seu balanço de US$ 2,85 trilhões mais fortemente a ativos de prazo mais longo.

Seguindo direção contrária, perto das 11h15, o dólar tinha valorização de 1,50%, cotado a R$ 1,893 na venda. Um pouco mais cedo, por volta das 10h, a divisa chegou a subir 4,66%, a R$ 1,952 na venda.

Com a persistente alta do dólar, o Banco Central anunciou que realizará a oferta de contratos de "swap cambial" tradicionais - que equivalem à venda de divisas no mercado futuro, no valor de até US$ 5,6 bilhões.

Este tipo de operação, que pode amenizar as pressões de subida do dólar no mercado à vista, não era realizado desde 26 de junho de 2009, quando o Brasil ainda sentia os impactos da primeira etapa da crise financeira internacional.

Influências
A decisão do Fed de reativar a operação de troca de alguns títulos em seu portfólio, não conseguiu estancar o pessimismo com mercado. Sem 'dinheiro novo' na economia, a instituição vai comprar US$ 400 bilhões com vencimento entre 6 anos e 30 anos e venderá igual quantidade de títulos com vencimento de até 3 anos. Desta forma, o banco central americano pretende reduzir os juros de longo prazo e estimular o consumo e o investimento no país.

O operador da mesa institucional da corretora Renascença Luiz Roberto Monteiro assinala que o alerta de maior degradação da economia americana pesou sobre os mercados e os agentes estão em busca de ativos mais seguros, como o dólar.

No Brasil, a moeda americana já subiu quase 5%, mas a alta perdeu força após anúncio de swap cambial tradicional pelo Banco Central.

Além disso, o setor financeiro volta ao foco. Ontem, a Moody's cortou a nota de três dos principais bancos americanos - Bank of America (BofA), Wells Fargo e Citigroup - e e Standard & Poor's rebaixou as notas de instituições financeiras italianas como Intesa Sanpaolo e Mediobanca.

Com informações do Valor Online





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Imobiliaria12
PUBLICIDADE