PUBLICIDADE

Em entrevista ao Jornal da Nova, condutor conta que soube de atropelamento horas depois


PUBLICIDADE

04/12/2017 14h55

Em entrevista ao Jornal da Nova, condutor conta que soube de atropelamento horas depois

Luis Gustavo, Da Redação / Imagens: Luis Gustavo/Jornal da Nova


 É considerado grave o estado de saúde da mulher atropelada na manhã do último domingo (3), nas proximidades do Hospital Regional, em Nova Andradina. Ela foi atingida por um veículo Ford/Fiesta, cor prata, com placas de Nova Andradina, na rua Domingos Santi e foi arrastada por pelo menos 70 metros no asfalto até na avenida Eulenir de Oliveira Lima, onde ficou desorientada e sofreu fratura exposta no joelho direito, ferimentos na face, hemorragia e dilaceração da perna.

 

Leia também

>> Mulher fica gravemente ferida após ser arrastada por carro em Nova Andradina 

 

Segundo os médicos, a vítima teve uma perna amputada e ainda apresenta várias escoriações pelo corpo e fratura na bacia. Na manhã desta segunda-feira (4), um médico intensivista de Dourados esteve avaliando a paciente e outros dois médicos especialistas irão examiná-la nesta tarde.

 

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Nova, o condutor do carro que se envolveu no acidente, conhecido como Zezinho de 59 anos, relatou que a mulher é vizinha dele, e não percebeu que ela estava embaixo do carro, chegou a ouvir ruídos, mas pensou que fosse um gato, ou algum problema mecânico, já que o veículo tinha saído da oficina há alguns dias.

 

Veículo passou por perícia na manhã desta segunda-feira (4) - Foto: Luis Gustavo/Jornal da Nova

 

Zezinho contou, que mesmo depois que a mulher se desprendeu do carro, ao passar pelo quebra-molas, ele não percebeu que havia ocorrido o atropelamento e seguiu normalmente para o serviço, sendo avisado do acidente horas depois, por sua esposa.

 

Pneu dianteiro do lado direito do veículo chegou a estourar – Foto: Luis Gustavo/Jornal da Nova

 

Também nesta manhã, equipes da SIG (Setor de Investigações Criminais) da Polícia Civil que investiga o caso e Perícia Criminal, estiveram no local onde estava o veículo, que passou por análise técnica e no local onde ocorreu o acidente. Zezinho ainda não se apresentou na Delegacia de Polícia.

 

“Não fiz por querer, jamais vou machucar ou tirar a vida de alguém, apenas foi uma fatalidade que não desejo a ninguém”, finalizou Zezinho.

 

Perito Criminal fazendo contagem das marcas que ficaram no asfalto que o veículo arrastou a mulher – Foto: Luis Gustavo/Jornal da Nova

 





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Imobiliaria12
PUBLICIDADE