PUBLICIDADE

Reforço contra febre amarela só na rede privada, mas vacina está em falta


PUBLICIDADE
  • mell280

19/01/2018 10h34 - Atualizado em 19/01/2018 11h42

Reforço contra febre amarela só na rede privada, mas vacina está em falta

Quem já tomou vacina contra a febre amarela há mais de cinco anos, pode reforçar a imunidade contra a doença

Ricardo Campos Jr.


 Quem já tomou vacina contra a febre amarela há mais de cinco anos e mesmo assim quer reforçar a imunidade contra a doença, principalmente se vai viajar para zonas de risco, só tem uma alternativa em Campo Grande: recorrer às clínicas particulares.

 

Porém, como a demanda aumentou após o surto do vírus na região Sudeste, o produto está esgotado na rede privada.Segundo informações da Abcvac (Associação Brasileira das Clínicas de Vacina), o laboratório Sanofi Pasteur, responsável pelo abastecimento, obteve recentemente a autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para trazer lotes com frascos de rótulos internacionais (com escritas em inglês, francês e espanhol), que só devem chegar no fim de fevereiro.

A vacina antiamarílica está no calendário de Mato Grosso do Sul com dose obrigatória a partir dos nove meses. Até 2014 era necessário tomar reforços a cada decênio, mas segundo o Ministério da Saúde, pesquisas mostraram que a eficácia não reduzia com o passar do tempo e seguindo orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde), a rede pública não administra mais novas doses nos pacientes já foram imunizados.

Gisclaine Pereira, gestora da clínica Imunitá, disse ao Campo Grande News que os pacientes precavidos podem tomar reforço desde que a dose anterior tenha sido há mais de cinco anos.

O preço da imunização custa R$ 180 na tabela cheia; R$ 162 para quem tem Cassems e Unimed e à vista sai por R$ 153.

Porém, os estoques estão zerados no local. “As pessoas estão com medo desse surto e dessa epidemia. Lá em São Paulo e no Rio de Janeiro eles não tomam vacina aos nove meses e dessa forma está havendo esse surto e a indústria não dá conta de fabricar. É muita gente”, diz Gisclaine.

A Clínica Prophylaxis também aplica doses extras para quem já foi protegido contra febre amarela anteriormente. No local a dose custa R$ 180, mas segundo a técnica de enfermagem Cristiane Cândida, também está em falta.

Já na Vaccini, segundo a enfermeira responsável, Rosangela Laier, a orientação da OMS e do Ministério da Saúde sobre a dose vitalícia é repassada aos pacientes que já se imunizaram.

“Nós orientamos dessa forma, a não ser que não tenha comprovação e tenha entre 9 meses e 59 anos. Não é motivo para pânico e a gente segue essa recomendação. A maioria dos que vêm aqui desconhece essa norma. No entanto, aumentou a procura e esgotou a vacina”, pontua.

Escala – Na rede pública a vacina ainda está disponível, mas somente para quem ainda não tomou. Mas a população deve ficar atenta, pois em cada posto a vacina é aplicada em um determinado dia da semana.

A medida serve para não causar prejuízo, pois cada frasco contém mais de uma dose. Uma vez aberto, vence em seis horas. Então se todas as pessoas procurarem as unidades ao mesmo tempo, a perda será menor.


 
 




PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Imobiliaria12
PUBLICIDADE