PUBLICIDADE

Acionados por vizinhos, comerciantes encontram 5 lojas arrombadas


PUBLICIDADE

16/04/2018 10h17

Acionados por vizinhos, comerciantes encontram 5 lojas arrombadas

Viviane Oliveira e Bruna Kaspary


No total, cinco lojas foram arrombadas e furtadas na noite de ontem (15), no cruzamento das ruas Rui Barbosa com a Barão do Rio Branco, na região central de Campo Grande. Somente neste fim de semana, foram registrados no Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional) 29 casos de furtos na Capital.

O comerciante Mamadou Diof, 45 anos, proprietário de um dos estabelecimentos invadidos, foi o mais prejudicado. Somente na loja dele foram levados em torno de 370 peças de bijuterias, mochilas e bonés. Ele ainda não calculou valor do prejuízo. "Eles escolheram e levaram o quiseram", lamenta o lojista que está no local há 2 anos. 

Segundo o proprietário do prédio onde fica as lojas, Aparecido Cavalheri, 70 anos, a suspeita é de que os ladrões tenham aproveitado uma grade que protege a vitrine de uma loja para subir até o telhado e ter acesso aos imóveis. Janelas, portas, forros e até uma parede de compensado foram danificados. 

O proprietário de uma assistência técnica e acessórios para celulares, que pediu para não ter o nome divulgado, conta que estima prejuízo entre R$ 7 a R$ 8 mil. "Estamos revoltados. Desde sexta-feira estão ocorrendo furtos na região", reclama. 

Para tentar diminuir a quantidade de crimes dessa natureza, a Polícia Civil levou na última quarta-feira (18), 108 moradores de rua da região Central para a delegacia. A ação foi feita com o apoio da Secretaria de Assistência Social e Centro POP (Centro de Referência Especializado à População em Situação de Rua). 

Conforme a Polícia Civil, os índices de furtos na área central aumentaram gradativamente devido ao número elevado de moradores de rua e usuários de entorpecentes no entorno. Nos primeiros 15 dias deste mês, foram contabilizados 723 casos dessa natureza na Capital. Em relação ao mesmo período do ano passado, houve aumento de 13 casos. Os dados são da Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública). 

 





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Imobiliaria12
PUBLICIDADE