PUBLICIDADE

Conselho de Segurança debate metas para o setor


PUBLICIDADE
  • mell280

03/08/2011 11h40

Conselho de Segurança debate metas para o setor

A gazeta News


Imagens: Vilson Nascimento

Autoridades e representantes de segmentos levantaram problemas e discutiram ações para melhorar a segurança pública

 Em reunião realizada na noite dessa terça-feira (2) a primeira sob a coordenação do novo presidente, Rozenaldo dos Santos Maurício, que assumiu o cargo no final do mês passado (julho) o CCS (Conselho Comunitário de Segurança), debateu metas e medidas a serem tomadas para melhorar a segurança pública em Amambai.

 

Participaram da reunião, que aconteceu no auditório da ACIA (Associação Comercial e Empresarial de Amambai), representantes das polícias, Civil e Militar, do Ministério Público Estadual, do Poder Legislativo, através do presidente da Câmara Municipal de Amambai, vereador Osvaldo Machado Franco, o “Coconho”, do Exército Brasileiro e do Corpo de Bombeiros Militar, além de presidentes de associações de bairros, membros efetivos do CCS e representantes de entidades como o Rotary Clube, no ato representando pelo presidente, Rosevalde Arruda do Amaral.

 

Durante a reunião as autoridades e os representantes da sociedade civil organizada que compõe o Conselho Comunitário de Segurança, foram unânimes em defender medidas preventivas, como o policiamento comunitário, palestras em escolas e ações junto as comunidades das vilas da cidade para coibir a violência e sobretudo o avanço das drogas como crack, por exemplo.

 

O Promotor de Justiça, Dr. Eteócles Mendonça Brito Junior, titular da 1ª Promotoria da Comarca, ressaltou o programa “Promotoria Integrada” do Ministério Público Estadual, sob coordenação do Promotor de Justiça, Dr. Luiz Alberto Safraider, coordenador das promotorias criminais do Estado, em Mato Grosso do Sul, que está funcionando de forma experimental na região da Vila Cristina em Amambai como um exemplo a ser adotado no que diz respeito à questão da melhoria da segurança pública na cidade.

 

Reestruturação da polícia e outros temas

 

Durante a reunião, que também contou com um representante da comunidade indígena, o agente de saúde, Estaneslau Lopes, da Aldeia Amambai, que também integra o CCS, também foram discutidas medidas para buscar a reestruturação das polícias, Civil e Militar em Amambai, inclusive buscando junto as autoridades e órgãos competentes a transformação da hoje Companhia PM em Batalhão, tendo em vista a grande área de abrangência, feito que possibilitaria o aumento circunstancial de efetivo e a reivindicação da instalação de pelo menos um posto de atendimento da Polícia Federal no município.

 

Também foi detido durante a reunião a necessidade de se cobrar ações da FUNAI (Fundação Nacional do Índio) local e nacional em relação ao atendimento das comunidades indígenas em Amambai, inclusive aos inúmeros índios “desaldeiados”, ou seja, que deixaram as reservas indígenas para viverem em condições sub-humanas nas periferias da cidade, em relação a falta de sinalização nas ruas da cidade e questões de segurança nas escolas do município, principalmente em relação ao trânsito e riscos de acidentes nos final das aulas e também sobre a implantação de bares e lanchonetes próximos às escolas.

 

Além das autoridades já citadas, estiveram presentes, acompanhado e participando dos debates durante a reunião do Conselho Comunitário de Segurança na noite dessa terça-feira em Amambai, o capitão PM, Tony de Oliveira, subcomandante da 3ª Companhia Independente de Polícia Militar, o escrivão Cairis Rodrigues, que representou a Polícia Civil durante a reunião, o 2º sargento Wilson Vicente Ferreira, que representou o 2º Sub-Grupamento do Corpo de Bombeiros de Amambai e o capitão Evandro Missagia Fernandes, que representou o 17º RC Mec, unidade do Exército Brasileiro com sede em Amambai.

 

Para o presidente do Conselho, Rozenaldo Maurício, a reunião surtiu o efeito esperado, que foi levantar questões consideradas de suma importância em relação a segurança e ao bem estar da população do município e demonstrou a preocupação de segmentos, como o Ministério Público Estadual, a Câmara Municipal, o Exército Brasileiro, através do comando do 17º RC Mec entidades e os organismos de segurança pública em relação ao bem estar da população amambaense.

 

“Com essa união de forçar vamos conseguir realizar um trabalho preventivo eficaz e com isso garantir conforto e segurança para nossa população”, destacou Rozenaldo.





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE