PUBLICIDADE

Em seis meses, nove armas de fogo foram entregues na fronteira em MS


PUBLICIDADE
  • mell280

15/08/2011 11h40

Em seis meses, nove armas de fogo foram entregues na fronteira em MS

TV Morena


 Apesar de a campanha nacional do desarmamento ter provocado a devolução de mais de 200 armas nos últimos dois meses em Mato Grosso do Sul, na fronteira do Brasil com o Paraguai a realidade é diferente. Em Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, em seis meses foram entregues apenas nove, a maioria sem condições de uso, segundo as autoridades em segurança.

Do total, sete são espingardas antigas que os donos não usavam mais. No mesmo período do ano passado, foram entregues 17 armas.

Este ano, a Polícia Federal fez algumas alterações na campanha para incentivar a entrega voluntária. Entre as principais mudanças, a pessoa não precisa mais se identificar ao procurar a polícia, assim também como o pagamento da indenização pode ser retirado em menos de 24 horas.

O delegado da Polícia Federal, Jorge André Santos Figueiredo, explicou que a campanha funciona como um incentivo para a população na devolução de armas de fogo que estejam em seu poder. "A população pode ter uma indenização de R$ 100 a 300 de acordo com o tipo de arma devolvida."

Dados do Ministério da Justiça revelam que, no Brasil, são mais de 16 milhões de armas circulando, quase metade ilegal. As autoridades brasileiras sabem que boa parte desse contrabando entra no Brasil pela fronteira com o Paraguai. Do outro lado da fronteira, a falta de fiscalização rigorosa facilita esse tipo de comércio. O problema reflete do lado brasileiro. Em Ponta Porã, a polícia já sabe que grande parte das armas não possui licença e circula livremente.

Situação detalhada pelo comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel André Luiz Saab. "Você atravessa a rua e pode comprar uma arma ilegal. Já quem compra arma dentro do Brasil tem que ter registro, o porte, não ter antecedentes criminais e ter toda uma documentação necessária pra aquisição dessa arma."

Mesmo com o grande número de armas circulando, a PM afirma que houve queda nos crimes cometidos na fronteira com Paraguai. No primeiro semestre, os casos de homicídios caíram 50%.

"A arma tem fácil acesso e você pode esconder ela também com mais facilidade. Houve a diminuição na apreensão de arma de fogo porque as ações preventivas estão funcionando, então as pessoas não estão usando arma de fogo em certos delitos. Diminuiu a apreensão de arma, o roubo e acidentes de trânsito devido às ações em conjunto com a Polícia Rodoviaria Estadual e a Força Nacional", detalha o comandante do 4º Batalhão da PM.

Desde 2003, com o Estatuto do Desarmamento, o Ministério da Justiça realiza campanhas para que a população entregue armas de fogo. Em fevereiro deste ano, o órgão divulgou um relatório sobre a violência, que indica que os índices de homícidio no período das campanhas diminuiu consideravelmente em todo o país.

Postos de recolhimento
Mato Grosso do Sul tem nove postos de recolhimento de armas de fogo. Em Campo Grande, a população pode entregar o armamento na Superintendência Regional da Polícia Federal (rua Fernando Luiz Fernandes, Vila Sobrinho), na delegacia da Polícia Rodoviária Federal (avenida Júlio de Castilho, 917, Vila Alba) e na Superintendência da PRF (rua Antônio Maria Coelho, 3033, Jardim dos Estados).

Veja onde ficam os outros postos de recolhimento no interior do estado:

Anastácio
Delegacia da PRF de Anastácio

Corumba
Delegacia de Polícia Federal em Corumbá
Praça da República – Centro

Dourados
Delegacia de Polícia Federal em Dourados
Avenida Aziz Rasselem - Jardim Tropical

Naviraí
Delegacia de Polícia Federal em Naviraí
Avenida Mato Grosso

Ponta Porã
Delegacia de Polícia Federal em Ponta Porã
Rua Getúlio Vargas – Centro

Três Lagoas
Delegacia de Polícia Federal em Três Lagoas
Rua Joaquim Murtinho – Jardim Alvorada





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE