PUBLICIDADE

Reinaldo Azambuja decreta situação de emergência devido à alta incidência de queimadas em MS


PUBLICIDADE

11/09/2019 13h56

Reinaldo Azambuja decreta situação de emergência devido à alta incidência de queimadas em MS

Silvio de Andrade


 Campo Grande (MS) – Decreto assinado pelo governador Reinaldo Azambuja, a ser publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta quinta-feira (12), declara situação de emergência em Mato Grosso do Sul em razão da alta incidência de focos de queimadas, com impactos ambientais, de saúde e econômicos.

Mais de 1 milhão de hectares já foram destruídos pelo fogo este ano, segundo levantamento do Ibama (Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), e as previsões de manutenção de um ambiente de alto risco em função da estiagem prolongada e baixa umidade levaram o Governo do Estado a tomar a medida extrema.

A decretação da situação de emergência foi comunicada pelo secretário Jaime Verruck, da Semagro (secretaria estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), na manhã desta quarta-feira, após se reunir com o governador Reinaldo Azambuja.

Anúncio da situação de emergência foi precedido de um levantamento dos focos pela Defesa Civil

“Foi tomada uma decisão técnica, em razão de uma situação crítica, onde o número de focos, que vinha se mantendo dentro de uma média, sofreu uma alteração drástica nos últimos dias e o fogo se expandiu, com impactos diretos no meio ambiente, na saúde da população e na produção”, explicou Verruck.

Apoio do Exército

O secretário informou que, além desta medida, o Governo do Estado monitora os focos de calor, com sobrevoos nas áreas mais críticas, enquanto o Corpo de Bombeiros está em alerta máximo e montou uma escala operacional de combate ao fogo, envolvendo 56 militares de folga e do setor administrativo, além dos 200 homens já em operação.

Com o decreto, segundo o secretário, o Governo do Estado busca apoio junto ao Ministério da Integração Regional e ao Exército em infraestrutura para aumentar as ações de combate aos incêndios florestais, como a disponibilidade de aeronaves e brigadistas.

Verruck informou que aviões do Estado sobrevoam áreas críticas para definição de um plano de estratégia

“A situação tende a piorar, com a onda de calor e a baixa umidade, e a população precisa ficar alertar, não queimar, e denunciar imediatamente aos órgãos competentes, como a Polícia Ambiental e o Corpo de Bombeiros, algum foco de calor para uma ação simultânea de combate”, alertou o secretário.

Verruck adiantou, durante entrevista coletiva na Sala de Situação Integrada, instalada desde agosto na Cedec (Coordenadoria de Defesa Civil do Estado), que o Estado solicitou também apoio operacional das entidades ligadas ao agronegócio e ao setor de celulose, os quais contam com estrutura de combate ao fogo.

 




PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE