PUBLICIDADE

Proibidos de abrir durante feriado, supermercados recorrem à Justiça


PUBLICIDADE

20/04/2017 16h26

Proibidos de abrir durante feriado, supermercados recorrem à Justiça

Donos de estabelecimentos e sindicato não entraram em acordo sobre reajuste salarial e condições de trabalho nos feriados

Anahi Zurutuza


 

Trabalhadores e clientes em unidade de rede de supermercados da Capital (Foto: Arquivo)Trabalhadores e clientes em unidade de rede de supermercados da Capital (Foto: Arquivo)

Sem fechar acordo com o Sindicato dos Empregados no Comércio de Campo Grande, supermercados estão proibidos de abrir as portas nesta sexta-feira (21), feriado de Tiradentes. O Sindisuper-CG (Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios) tenta, entretanto, reverter a situação na Justiça do Trabalho.

“Nossos advogados estão trabalhando para resolver isso”, afirma Adeilton do Prado, presidente do sindicato patronal. “A maioria vai abrir”, completou.

Grandes redes supermercadistas realmente confirmaram ao Campo Grande News que estarão de portas abertas.

 
Comunicação do sindicato dos trabalhadores no comércio (Foto: Reprodução)Comunicação do sindicato dos trabalhadores no comércio (Foto: Reprodução)

De acordo com André Luiz Garcia, o diretor de comunicação da entidade que representa os comerciários, a convenção-coletiva 2017/2018 que prevê reajuste salarial e também as condições para que trabalhadores sejam escalados para cumprirem expediente nos supermercados não foi fechada e as negociações encerradas.

Garcia explicou ainda que o piso salarial dos empregados nos mercados é de R$ 990 e a categoria exige reajuste de cerca de a reposição da inflação de 2016 - 4,45% pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) - e mais 1% de ganho-real.

Para trabalharem nos feriados, funcionários tinham direito ao pagamento de bonificação correspondente a 7% do piso em vale-compras e mais uma folga.

O sindicato patronal teria oferecido aumento muito abaixo do pleiteado - apenas 2% - e as rodadas de negociação foram encerradas. “Queriam tirar o direto às folgas pós-feriado. Foi também por isso que não teve acordo”.

“Os donos de supermercados querem, pasmem senhores consumidores e opinião pública de Campo Grande, a retirada da folga pelos feriados trabalhados; acabar com o descanso intervalar de apenas 15 minutos e ainda, querem a criação da função multidisciplinar de seus empregados”, completou Idelmar da Mota Lima, presidente do sindicato dos comerciários.

Por isso, na teoria, os estabelecimentos que abrirem estarão cometendo irregularidade trabalhista, estando sujeitos a fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho e sanções. “Estão proibidos de abrir, mas pode abrir à revelia e pagar a multa, por exemplo. Vamos estar atentos e tomar as medidas judiciais que forem necessárias”.

Outros setores – O comércio da região central, as lojas de materiais de construção e os shoppings funcionam normalmente amanhã.

Os trabalhadores recebem gratificação de 7% do piso – fixado em R$ 1.091,00 e uma folga. No Centro, o horário de funcionamento nos feriados é diferente, das 9h às 18h.





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • museu da cachaça319
  • Imobiliaria12
PUBLICIDADE