PUBLICIDADE

Polícia indicia ex-prefeito e mais oito por desvio de R$ 23 milhões em Maracaju


PUBLICIDADE

05/10/2021 16h30

Polícia indicia ex-prefeito e mais oito por desvio de R$ 23 milhões em Maracaju

Inquérito foi concluído e enviado hoje pelo Dracco ao Ministério Público; quatro estão presos

Por Helio de Freitas, de Dourados


 Foi concluído hoje (5) e enviado ao Ministério Público o inquérito policial da Operação Dark Money, que apura desvio de pelo menos R$ 23 milhões do cofre público do município de Maracaju em 2019 e 2020, dois últimos anos da administração do ex-prefeito Maurílio Ferreira Azambuja (MDB).

Maurílio (à direita) e o fiel escudeiro Lenilso Antunes, também indiciado (Foto: MS Conectado)
 
O Campo Grande News apurou que o ex-prefeito e mais oito suspeitos de envolvimento no desvio milionário feito através de conta “fantasma” foram indiciados. Os crimes são de organização criminosa, falsidade ideológica, peculato, emprego irregular de verbas ou rendas públicas e lavagem/ocultação de valores.
 
Foram indiciados o ex-secretário de Fazenda Lenilso Carvalho Antunes (apontado como braço-direito do então prefeito no esquema) e Daiana Cristina Kuhn, que ocupou cargo de chefia na Pasta e também foi secretária de Fazenda quando Lenilso pediu exoneração para ser candidato a prefeito em 2020.
 
Outro indiciado é Edimilson Alves Fernandes. Ele comandou o setor de licitações da prefeitura e foi apontado pela polícia como peça-chave no esquema.
 
Também foram indiciados o empresário Pedro Everson Amaral Pinto, dono de uma tapeçaria em Maracaju e acusado de trocar os cheques da conta secreta; a ex-servidora contratada Iasmim Cristaldo Cardoso; Moisés Freitas Victor, que trabalhou na tapeçaria de Pedro Everson; Fernando Martinelli Sartori, genro do empresário, e Victor Henrique Kuhn, irmão de Daiana e um dos “laranjas” do esquema.
 
Lenilson, Daiana, Edimilson e Pedro Everson continuam presos. Maurílio Azambuja, Iasmin, Fernando e Moisés cumprem prisão domiciliar monitorados por tornozeleira eletrônica. Victor Henrique Kuhn é o único que está solto, pois a polícia não pediu a prisão preventiva dele.
 
Deflagrada no dia 22 de setembro, a operação é comandada pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado). Agora caberá ao MP oferecer denúncia contra os indiciados. Se a denúncia for afeita pelo Poder Judiciário, todos passam a figurar como réus.
 
 
A reportagem apurou que mesmo com a conclusão do primeiro inquérito, as investigações continuam através de outro procedimento, para apurar o destino de cheques e mais favorecidos relacionados à conta “fantasma”.
 
O esquema – O desvio através da conta “fantasma” contava com a participação de 19 empresas, também investigadas no âmbito da Operação Dark Money. Quinze delas receberam dinheiro da prefeitura mesmo sem qualquer contratação formal com o município, sem licitação e sem notas fiscais.
 
A campeã em recebimentos foi a Pré-Moldados Maracaju, que teria como sócio Edmilson Alves Fernandes, chefe do setor de licitações na gestão de Maurílio Azambuja. Segundo o Dracco, a empresa teria recebido R$ 876,1 mil em cheques. A Pedro Everson do Amaral Pinto ME, que tem como nome fantasia Tapeçaria Lobo, teria recebido R$ 354,4 mil.
 
Em depoimento à polícia três dias depois de se apresentar e ficar preso, Maurílio Azambuja disse que confiava nos assessores e assinava os cheques pensando ser para pagar servidores. Médico, ele tem 73 anos e administrou o município por três mandados – de 2005 a 2008, de 2013 a 2016 e de 2017 a 2020.
 
 
 
 




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE