PUBLICIDADE

A 132 km da Capital, 1ª vinícula de MS vai unir sabor exclusivo ao turismo


PUBLICIDADE

22/10/2021 06h47

A 132 km da Capital, 1ª vinícula de MS vai unir sabor exclusivo ao turismo

O empresário Gilmar França diz que vai produzir vinho com identidade pantaneira

Por Bárbara Cavalcanti


 

Mato Grosso do Sul também pode ser terra de vinícola. O projeto Terroir Pantanal Wine & Beer pretende não só produzir, como trazer o enoturismo para o Estado. O projeto é ambicioso. Além de vinho, a ideia é fazer cerveja artesanal e oferecer opções de lazer, como andar a cavalo e de triciclo. 

A vinícola, ainda em fase de implantação ficará em Camisão, distrito de Aquidauana, distante aproximadamente 132 quilômetros de Campo Grande. O projeto é do proprietário Gilmar França, de 48 anos. “Acredito que muitas pessoas gostam muito de vinho. A minha paixão no caso foi um pouco além”, se diverte. 

Gilmar é natural de Goiás, mas já vive em Mato Grosso do Sul desde 1990. Também se diz apaixonado pela região de Camisão. A ideia de criar uma vinícola no interior do estado surgiu durante uma viagem à Toscana, na Itália.

“Fiquei uma temporada na Toscana e lá tive a oportunidade de conhecer também pequenas produções. Ali que o sonho começou a realmente se concretizar. A partir de então, viajei para vários lugares de cultivo de vinho, tanto os clássicos, como as regiões francesas, Chile e Argentina, quanto também lugares mais inusitados, como uma vinícola no Deserto do Atacama”, explica.

Gilmar, proprietário e idealizador do projeto da vinícola em Camisão, plantando a primeira muda. (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Gilmar, proprietário e idealizador do projeto da vinícola em Camisão, plantando a primeira muda. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Gilmar também passou a estudar e pesquisar tudo o que podia sobre o assunto. Descobriu, por exemplo, que para conseguir viabilizar o cultivo na região, seria necessária uma tecnologia diferente.

“Conheci a maneira de cultivo chamada vinho de inverno ou de dupla poda. Basicamente, se inverte o período de plantio e de colheita. Ao redor do mundo, a uva começa maturar no final do ano, que é um momento de amplitude térmica, ou seja, sol durante o dia e frio à noite, e ausência de água. Nessa época, isso aqui seria um desastre, então o período em que a uva é plantada aqui, é em julho, para que ela possa estar pronta para a colheita no inverno seguinte”, ensina.

As mudas das videiras são importadas da Itália e chegam em solo brasileiro depois de um ano de preparo para maior resistência. A previsão é que no inverno de 2022 já tenha uma colheita, mesmo que ainda não tão expressiva.

O local terá uvas syrah, chenin blanc, cabernet sauvignon, sauvignon blanc, marselan e uvas de mesa, de acordo com o empresário.

Plantação das uvas acontece em julho, para que colheita possa acontecer no inverno do mês seguinte. (Foto: Marcos Maluf)
Plantação das uvas acontece em julho, para que colheita possa acontecer no inverno do mês seguinte. (Foto: Marcos Maluf)

“Haverá produção de tintos e espumantes, mas também é para ser um local com várias opções de lazer, um roteiro de enoturismo”, reforça. 

O cenário, mesmo sem as parreiras, já é incrível, com o Morro do Chapéu ao fundo. Por isso a aposta no enoturismo, com direito a experimentar a produção local. “Terá espaço para as pessoas poderem fazer passeios de bicicleta, trilhas, degustação, piquenique, tudo dentro do turismo sustentável”, comenta.

Terreno da vinícola com o Morro do Chapéu ao fundo. (Foto: Reprodução Redes Sociais)
Terreno da vinícola com o Morro do Chapéu ao fundo. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Gilmar também reforça que os vinhos trarão a identidade pantaneira. 

“Esse projeto inédito está sendo feito com muito profissionalismo. Contratei um consultor chileno que hoje vive no Brasil, é toda uma equipe de pessoas envolvidas. Os vinhos terão essa identidade do Pantanal, a simplicidade com a riqueza cultural da região”, garante.

 




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE