PUBLICIDADE

Plantação de soja certificada RTRS cresce na região central do país e beneficia grandes e pequenos produtores


PUBLICIDADE

24/11/2021 09h15

Plantação de soja certificada RTRS cresce na região central do país e beneficia grandes e pequenos produtores

assessoria


 Plantação de soja certificada RTRS cresce na região central do país e beneficia grandes e pequenos produtores

Cultivo do grão já substitui plantações de cana-de-açúcar e pastagem, especialmente em São Paulo e Minas Gerais

 

Na região central do Brasil, que envolve os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás, estão áreas com culturas consolidadas no Cerrado, porém com espaço para crescimento do plantio de soja, especialmente em Minas Gerais e São Paulo em decorrência da substituição de outras culturas como a cana-de-açúcar e pastagem. Juntos, estes Estados possuem 59 fazendas responsáveis com produção estimada em 385 mil toneladas do grão, sendo que o cultivo da soja RTRS cresce ainda mais a cada safra nestas terras.

A área se conecta ao mercado interno, o que agrega valor à soja certificada RTRS para este comprador, consumidor de grande percentual da soja certificada nacional através da matriz de alimentos. Outra importante vantagem é a proximidade de portos de exportação como o da cidade de Santos. Alguns produtores ilustram as vantagens desta realidade:

A Fazendas Bartira tem mais de 30 anos de história no mercado agropecuário, e teve seu maior crescimento a partir de 2012. Hoje, presente nos Estados de Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e, também, Mato Grosso, Tocantins e São Paulo, as fazendas fazem parte da BGA (Bartira Gestão Agropecuária), sob nova administração. Juntas, as unidades somam aproximadamente 38 mil hectares de área de produção de soja certificada RTRS. Fabricio de Freitas, Gestor de SSMA e Certificações, conta que o grupo iniciou a certificação em 2013 com duas fazendas. Hoje, oito das 19 propriedades administradas possuem a certificação RTRS. “Produzir com responsabilidade, principalmente condicionado às Conformidades Legais sempre foi pauta inegociável no desenvolvimento do grupo. A certificação RTRS foi uma decisão para evidenciar e apresentar ao mercado nosso propósito e compromisso na prospecção do negócio”.

Freitas avalia com sensatez os impactos nos negócios do grupo após a certificação RTRS. “O retorno econômico é uma consequência natural do processo de certificação. Isso não está implícito nos prêmios recebidos e comercializados, mas sim na gestão da fazenda do ponto de vista organizacional como gestão de custos, investimentos, pessoas, capacitação, pautas ESG (Environmental, Social e Governance). Em resumo, o benefício está na melhoria de gestão de riscos num mercado cada vez mais restritivo a cometer erros, numa agricultura cada vez mais tecnológica e monitorada”, finaliza.

Entre as grandes potências produtoras da soja certificada RTRS presentes nestes Estados, pequenos produtores se organizam em cooperativas para acompanhar as demandas do mercado. O casal Leni Tomasia de Sousa e Joval de Jesus da Sila, da fazenda Engenho Velho, em Silvania, Goiás, colhe 22 mil sacos do grão certificado RTRS. Os produtores uniram a propriedade da família, de 200 hectares, às terras de vizinhos parceiros para produzir em 315 hectares. A certificação chegou há seis anos na propriedade e teve início com o manejo integrado de pragas e outras adequações propostas pela RTRS. “No início, acreditava que a RTRS era voltada apenas para grandes produtores, pois as exigências eram altas. Mas, durante a certificação fomos muito bem orientados, os processos foram adequados a nossa propriedade, nos adaptamos e conseguimos o selo. Além disso, conseguimos repor o valor investido na certificação com o bônus recebido”, recorda.

A sojicultora, que escoa sua produção através da COCARI, Cooperativa Agropecuária e Industrial, entidade que recebe apoio da Cresol Cooperativa de Crédito, conta que a certificação ajudou a reduzir os custos de produção e que a propriedade passou a ser mais sustentável. “Tentamos não ter dependência de tantos insumos e manter o solo mais equilibrado com produtos biológicos. É uma satisfação ver nossa empresa mais organizada e receber a visita de nossos vizinhos. Nos vemos cumprindo nosso compromisso com a comunidade”, comemora Leni.

Cid Sanches, consultor externo do RTRS no Brasil, avalia o panorama da região com otimismo, com possibilidades que se aplicam a todo país. “Neste cenário de oportunidades, grandes grupos agrícolas, cooperativas e pequenos produtores de soja encontram terreno fértil para a certificação de suas fazendas. Isso mostra que o grão responsável RTRS é acessível a todos, da pequena à grande propriedade”.

Sobre a RTRS - Round Table on Responsible Soy Association

Fundada em 2006, o Round Table on Responsible Soy Association – Associação de Soja Responsável (RTRS) é uma organização global multissetorial pioneira, formada pelos principais representantes da cadeia de valor da soja, como produtores, indústria, comércio, finanças e a sociedade civil. Os atores dessas diferentes áreas se reúnem em torno de um objetivo comum, garantindo o diálogo e a tomada de decisão por consenso. A missão da RTRS é promover o crescimento da produção, o comércio e o uso da soja responsável através da cooperação com os atores na cadeia de valor da soja e à respeito da produção e ao consumo em um diálogo aberto com os participantes da cadeia de valor de soja, incluindo produtores, fornecedores, fabricantes, varejistas, instituições financeiras, organizações da sociedade civil e outros atores relevantes. A RTRS também define os padrões para soja responsável e cadeia de custódia. Particularmente, o esquema do Padrão RTRS para Produção Responsável de Soja garante que a soja RTRS não apenas atenda aos mais altos critérios ambientais (incluindo uma garantia de desmatamento zero verificado por terceiros e conversão zero), mas também um amplo conjunto de requisitos sociais e trabalhistas. Baseia-se em cinco princípios: Conformidade Legal e Boas Práticas de Negócios; Condições de Trabalho Responsáveis; Relações Responsáveis com a Comunidade; Responsabilidade Ambiental e Boas Práticas Agrícolas. É hoje o sistema mais confiável e avançado do mercado de soja brasileiro para alcançar a sustentabilidade. Atualmente, a RTRS conta com 187 membros dos países do mundo inteiro. Os princípios e critérios da RTRS são considerados um padrão multipartes que garante o Desmatamento Zero na produção de soja





PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE