PUBLICIDADE

PSDB é o que mais elege prefeitos nos grandes centros, mas perde poder ante 2016


PUBLICIDADE

30/11/2020 05h27

PSDB é o que mais elege prefeitos nos grandes centros, mas perde poder ante 2016

Rafael Barbosa


 Esse resultado mantém o partido no topo do ranking de domínio político no grupo, mas com menos poder do que teve em 2016, quando conquistou 29 dessas prefeituras.

O PIB dessas 18 cidades que o tucanos governarão a partir de 2021 soma R$ 990 bilhões, segundo o partido.

Publicidade
x

MDB conquistou 16 municípios no grupo. Na sequência estão PSD (10 prefeitos), DEM (10), PP (7) e Podemos (7).

O quadro evolutivo a seguir mostra o número de prefeitos de cada sigla nas maiores cidades brasileiras e como será o cenário a partir de 2021:

© Fornecido por Poder360

O PT elegeu 4 prefeitos nas maiores cidades. Com isso, recuperou parte do poder perdido em 2016, quando teve uma derrocada e conseguiu eleger apenas 1 nome no grupo. Mas a leve alavancada das candidaturas da sigla não foi suficiente nem para ultrapassar a marca de eleitos em 1996, época pré-eleição de Lula.

Na 1ª parte do pleito, o petistas não conseguiram eleger nenhum candidato, mas foram os que mais tiveram postulantes no 2º turno: 15 nomes, dos quais 4 foram eleitos.

O desempenho de cada partido no G96 é importante porque 38,1% dos eleitores brasileiros vivem nessas cidades. Os tucanos são os que têm mais eleitores governados no G96 (14,9 milhões). Em seguida aparecem o DEM (10,0 milhões) e o MDB (6,7 milhões).

© Fornecido por Poder360

Os resultados demonstram que os partidos do Centrão –grupo de partidos sem coloração ideológica clara– saem politicamente fortalecidos nesta eleição.

PSDB e MDB perdem espaço, mas continuam fortes. E a esquerda segue enfraquecida.

As eleições municiais são 1 teste para o pleito de 2022, mas não obrigatoriamente garantia de sucesso. As disputas pelas prefeituras são focadas em temas locais –dificilmente nacionalizada. Os tucanos lideravam o comando desses grandes centros em 2018, e Geraldo Alckmin –então candidato ao Planalto pelo partido– não engajou o eleitorado. Obteve apenas 4,8% dos votos na disputa presidencial.

CENÁRIO ELEITORAL

O Brasil tem 147,9 milhões de eleitores em 5.570 cidades. Mas 5.568 tem eleições para prefeitos e vereadores. Brasília (capital federal), onde há 2 milhões de eleitores, não elege prefeito nem vereadores (há 1 governador e deputados distritais).

Em Fernando de Noronha (PE) o caso é similar. A ilha pernambucana é considerada 1 distrito do Estado. Não tem prefeito e o número de eleitores é pequeno –pouco mais de 2.700. O governador pernambucano nomeia 1 administrador para cuidar da região.

Macapá, capital do Tocantins, ainda não escolheu seu governante. As eleições locais foram adiadas por causa de 1 apagão.

O TSE publica informações sobre os candidatos eleitos em 2020 em 3 bases de dados diferentes: o site de estatísticas eleitorais, o de resultados da eleição e o repositório de dados eleitorais. Há, porém, pequenas diferenças no número de eleitos em cada uma delas. Ou seja: um candidato que aparece como sub-judice em um dos locais de consulta pode aparecer como eleito em outro.

O tribunal diz que todos os locais de consulta têm informações fidedignas, mas que há dinâmicas de atualização distintas. Não há recomendação de em qual dos 3 buscar dados mais atualizados. O Poder360 opta por usar, quando disponíveis, as informações do repositório de dados de eleitorais, que permitem cruzamentos e análises mais aprofundadas.

Por exemplo, o MDB registra 769 prefeitos eleitos no 1º turno no site de estatísticas eleitorais do TSE e no repositório de dados. Com mais 10 eleitos no 2º turno, somariam 779 prefeitos. Nos dados da apuração do TSE do 1º turno, no entanto, somam 776, o que faria o partido atingir 784 prefeituras depois do 2º turno.

 

 

 




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE