PUBLICIDADE

Malha Oeste volta a escoar minério de ferro e abre possibilidades para iniciativa privada


PUBLICIDADE
  • mell280

03/03/2022 11h57

Malha Oeste volta a escoar minério de ferro e abre possibilidades para iniciativa privada

Rosana Siqueira, Semagro


Malha Oeste volta a escoar minério de ferro e abre possibilidades para iniciativa privada

 Após a desativação em 2015, a ferrovia Malha Oeste, que liga Corumbá a São Paulo, está operando ainda que de forma tímida, escoando principalmente minério de ferro na região de Corumbá e ainda trazendo vergalhões de ferro de São Paulo para o Mato Grosso do Sul. A informação foi repassada pelo titular da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produçãe Agricultura Familiar) Jaime Verruck, que esteve recentemente reunido com empresas de mineração em Corumbá.

“Existe operação da mina da Vale até Porto Esperança; existe outra até Ladário e uma terceira operação que é a Arcellor Mittal, que traz vergalhões de ferro de Mairinque (SP) até Mato Grosso do Sul, e ela encontra-se em período operacional. Isso é importante, mas isso não é suficiente”, salientou Verruck.

Por isso, o secretário reforçou que neste momento o Governo do Estado está fazendo estudos para antecipar a relicitação da Malha Oeste. “Estamos fazendo estudos para a relicitação da Malha Oeste para que uma nova empresa consiga a concessão do trecho. A meta é que a nova concessionária faça a revitalização de dormentes, troca de trilhos, para que se possa escoar minérios, com toda estrutura, além de outros produtos”, destacou.O secretário ainda relembrou a importância da reativação da malha Oeste para promover o desenvolvimento do Estado. “Queremos promover este grande eixo de desenvolvimento dentro de MS, saindo de Campo Grande até Três Lagoas e até São Paulo”, enfatizou, lembrando que pela ferrovia poderia ainda ser escoada a produção de celulose da fábrica da Suzano em Ribas do Rio Pardo.

“Por isso é fundamental que pensemos em todo o desenvolvimento econômico desta região e que a gente avance na revitalização da nossa ferrovia, da Malha Oeste. O Governo do Estado tem focado na estruturação logística e também na reestruturação das ferrovias em MS”, salientou.

Oportunidades

O assessor logístico da Semagro, Lúcio Lagemann, destaca que a Malha Oeste também pode ser requerida por empresas privadas, assim como ocorre com a Suzano que vai reativar 235 km saindo de Ribas do Rio Pardo a Inocência, para transporte de celulose. “Este é um corredor importante e através de autorização e mesmo que esteja acontecendo a relicitação ele pode ter trechos requeridos pela iniciativa privada. O modelo usado pela Suzano de autorização pode ser usado em toda a Malha Oeste”, destaca.

Estes investimentos ajudam a reativar a Malha Oeste, que tem mais de mil quilômetros ligando Corumbá (MS) a Mairinque (SP). Isto é possível graças a Medida Provisória nº 1.065 de 2021 que permite a exploração privada de ferrovias por meio de autorização amplia as possibilidades de reativação da malha ferroviária de Mato Grosso do Sul.

 





PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE