PUBLICIDADE

Atraso na entrega de faturas leva cliente a pagar juros e multa em MS


PUBLICIDADE

30/06/2011 11h50

Atraso na entrega de faturas leva cliente a pagar juros e multa em MS

Da TV Morena


 O serviço postal brasileiro, que já foi exemplo de eficiência, atualmente enfrenta muitas críticas. Em Campo Grande, as correspondências estão sendo entregues com atrasos, e quem precisa pagar contas e a fatura do cartão de crédito não consegue quitar as dívidas em dia porque os boletos chegam depois do vencimento.

Moradores do bairro Jardim América, na região sul de Campo Grande, se dizem insatisfeitos com o serviço. "Sempre chegando atrasado, principalmente cartão de crédito, com três dias. A gente paga com juros e multa", relata a dona de casa Fátima Santos Fernandes.

A comerciante Fabiane Loraschi também enfrenta problemas para receber correspondências. Segundo ela, contas de telefone e a fatura do cartão de crédito chegam com atrasos. "Desde o início do ano que as contas chegam sempre atrasadas, normalmente já vencidas, e a gente tem pagado juros de R$ 4 a 5 em relação a esse atraso", afirma Fabiane.

O atraso na entrega de correspondências ocorre em todo o país, segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios. Um levantamento feito pela entidade mostra que em algumas regiões uma correspondência leva até 15 dias para chegar ao destino. É o caso de alguns municípios do interior do Paraná e São Paulo.

Até na capital paulista, cartas que levariam 24 horas para ser entregues chegam ao destinatário três dias depois. Entre as explicações para o problema, de acordo com os Correios, estão o aumento das entregas de compras feitas pela internet (em média 35% nos últimos dois anos) e a falta de funcionários.

Em Mato Grosso do Sul, a direção dos Correios admitiu que existem atrasos mas, segundo a instituição, os problemas são eventuais. Por meio meio de nota, a empresa informou que algumas medidas estão sendo tomadas para minimizar os prejuízos causados à população, entre elas, pagamento de horas extras, ampliação das escalas de trabalho nos fins de semana e contratação de funcionários temporários.

Ainda segundo os Correios, este mês foram contratados 158 funcionários temporários. A maior parte para trabalhar em Campo Grande, e o restante para atuar nos municípios de Dourados, Três Lagoas, Corumbá e Ponta Porã.

Segundo o Procon, quem se sentir prejudicado com o serviço de postagem pode entrar em contato com a empresa credora e tentar negociar novas datas ou outras forma de pagamento do título. "Caso a empresa não se demonstre à disposição para ofertar esse tipo de pagamento, aí sim pode procurar o Procon. O cliente não está obrigado porque deu causa a esse atraso", explica o coordenador do órgão, Alexandre Rezende. Ele completa dizendo que se o consumidor não procurar a empresa, deverá pagar os juros correspondentes aos dias de atraso.

Em Campo Grande, os Correios entregam mais de 200 mil correspondências por dia, entre cartas, faturas e carnês. As encomendas totalizam mais de cinco mil volumes.

A empresa espera normalizar a situação em todo o país a partir de julho, quando começam a ser contratados os candidatos aprovados em concurso público. São quase 10 mil novos empregados, metade só de carteiros.

Quanto ao problema da comerciante, os Correios em Campo Grande justificaram os atrasos pelo afastamento temporário dos carteiros titulares que atuam na região. O problema deverá ser resolvido nos próximos dias.





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE