PUBLICIDADE

Bovespa abre em alta após fortes perdas; dólar sobe 0,8%


PUBLICIDADE

09/08/2011 15h00

Bovespa abre em alta após fortes perdas; dólar sobe 0,8%

Folha Online


 A Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) opera em alta no início do pregão desta terça-feira, segundo dia útil após a decisão da agência Standard & Poor's de rebaixar a nota de crédito dos EUA.

O Ibovespa, principal termômetro dos negócios da Bolsa paulista, tem valorização de 2,46%, aos 49.863 pontos.

Ontem (8), o índice teve a pior queda (8,08%) desde outubro de 2008, com giro financeiro foi de R$ 9,59 bilhões.

O dólar comercial é negociado por R$ 1,623, em alta de 0,80%. A taxa de risco-país marca 199 pontos, com redução de 3,86% ante a pontuação anterior.

As três principais Bolsas europeias também reduzem as perdas no pregão desta terça-feira. Em Londres, o índice Financial Times registra variação positiva de 0,05%, atingindo 5.071 pontos. Em Paris, o CAC-40 apresenta valorização de 0,99%, aos 3.156 pontos. Já em Frankfurt, o DAX aponta queda de 1,51%, aos 5.833 pontos.

Na Ásia, os investidores amenizaram as perdas no fim das negociações, mas os dois principais índices acionários fecharam em baixa. O Nikkei, no Japão, perdeu 1,68% e atingiu 8.944 pontos. Já o Hang Seng, de Hong Kong, encerrou o pregão com baixa de 5,66%, para 19.330 pontos.

SEGUNDA-FEIRA

Ontem (8), as Bolsas norte-americanas desabaram com o agravamento dos temores de recessão. O forte volume de vendas resultou no pior dia do S&P 500 desde dezembro de 2008, e todas as ações dos componentes do índice encerraram a sessão em território negativo.

O índice Dow Jones, referência da Bolsa de Nova York, recuou 5,55%, para 10.809 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 6,9%, para 2.357 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 6,66%, para 1.119 pontos.

Em discurso ontem (8), o presidente Barack Obama afirmou que, apesar da redução da nota americana, os mercados ainda acreditam no crédito americano e que os EUA continuam um país seguro para os investidores.

"Não importa o que uma agência pode dizer, nós sempre fomos e sempre seremos uma nação AAA. Apesar de todas as crises que passamos, temos as melhoras universidades, as melhores empresas, e os mais inventivos empreendedores", disse.





PUBLICIDADE
  • WhatsApp TUDODOMS459
PUBLICIDADE
  • academia374
  • Nelson Dias12
PUBLICIDADE